quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Nada fantasioso


Esse foi o ano de juntar os centavos e de fazer retalhos políticos. A recessão provocou engessamento da atividade econômica gerando uma massa de mais de 12 milhões de brasileiros desempregados.

Nos governos um festival de desgovernos que deu o tom desritmado de Brasília a Várzea Alegre.

A fantasia que por um tempo encantou-nos como uma nação em franca ascensão, mesmo diante do descompasso que já acompanhava as ditas nações ricas e de primeiro mundo não demorou a virar farrapos.

A falta de trabalho e seus salários refletiu na vida dos brasileiros ferindo nossa vaidade. Até nossa pequena Várzea Alegre chegou a tempos dourados e acreditamos que éramos a cidade do futuro dessa região caririense, mas não deu. A emoção durou como música apenas de refrão.

Caímos com o Brasil e com sua política administrativa de faz de conta. A realidade que bagunçou a política nacional que fez dos ex-parceiros Dilma e Temer inimigos ferrenhos até que um tomou o cargo do outro, também teve sua versão varzealegrense, respeitadas as devidas proporções.

Aqui nas planícies das terras varzealegrenses, foi um pouco diferente do show do planalto, mas, não deixou de ter semelhança. O prefeito Vanderlei Freire e o ex-prefeito e compadre Zé Helder desceram na avenida política desfilando por escolas diferentes.

Na gestão, Vanderlei sai pela porta dos fundos de uma administração que sofreu os mais terríveis desgastes, em consequência de uma crise que esvaziou os cofres públicos da casa verde.

Zé Helder volta já, já. Mas, também deve está assustado, sem dúvida com o que virá pela frente. O cenário que irá pisar a partir de janeiro de 2017 é mais realidade do que as fantasias dos tempos de suas duas bem-sucedidas gestões. O povo aposta todas as fichas nele, credenciado por sua experiência política.

2016 foi um ano que o povo se cansou da velha Câmara de Vereadores e botou 12 para o banco de reservas para refletir sobre qual deve ser mesmo a função do vereador. Novatos eleitos, uma vereadora remanescente e um cacique que volta, falam assustados: Ah, temos que está ao lado e próximo do povo.

No comércio, algumas empresas não resistiram e saíram de cena. Outras continuam remando, mas estão com braços cansados. A lógica do governo não é nada franciscana. Com relação ao pagamento de impostos, no Brasil e dando que não se recebe.

E para quem pensa que tudo muda da noite para o dia, em se falando de virada do ano, muda mesmo apenas a data do calendário quando 31 de dezembro de 2016 dará lugar ao 1º de janeiro de 2017. 2017, por sua vez promete ser mais um ano nada fantasioso.

Marcos Filho




terça-feira, 29 de novembro de 2016

A importância do vereador

Na cidade de Várzea Alegre, a composição da Câmara Municipal conta com treze vereadores.

Nestas eleições de 2016, cinco parlamentares não concorreram à reeleição, sendo que dois deles, saíram como candidatos a vice-prefeitos – Luiz do Conselho (PRB), compôs com o candidato derrotado Homero Fiúza (SD), e Dr. Fabrício (PV), venceu a eleição na chapa com Zé Helder (PMDB).

Motivos outros levaram figuras tarimbadas na política, como Galego de Celso, Antônio Sebastião e Chico Clementino a desistirem da disputa neste ano.

E dos veteranos que partiram para a disputa, a maioria amargou a decepção das urnas, com a população dizendo não à renovação de seus mandatos.

Até mesmo aqueles carregavam algum grau de certeza de que teriam o apoio do voto popular para voltar à Câmara foram surpreendidos com a revelação das urnas.

E a disputa pelo cargo de vereador na cidade de Várzea Alegre não foi fácil. Nada menos que 46 candidatos disputaram as 13 vagas, com uma média de 3,53 candidatos por uma vaga. Uma concorrência acirrada.

Neste meio, nesta luta, entre velhos e novos nomes, pessoas de diferentes acepções políticas, classe profissional e nível de instrução – Professor, engenheiro, médico, jornalista, políticos de carreira, advogados, semianalfabeto, entre outros.

Um fato concreto é que, nesse bolo todo, pouca gente escapou. O povo levou para as urnas e emplacará na Câmara Municipal de Vereadores a partir de primeiro de janeiro de 2017, 11 novatos, reconduziu um veterano e deu a oportunidade do segundo mandato para uma vereadora remanescente da atual composição legislativa.

O recado das urnas pela renovação, deixou um certo sentimento de desgosto para alguns veteranos que se debruçam em pensamentos, tentando entender o quadro.

Seria mesmo o desejo pela renovação? Ou seria o desgaste da classe política? Ou ainda o desprestígio do vereador? Ou seria a confusão de papeis que o eleitor faz quando pede ao vereador e não é atendido, pois não é sua função executar, mas legislar, apresentar propostas, torcer para que o executivo faça e fiscalizar as ações do poder executivo? As indagações são muitas e cada um se encaixa em situações diversas.

Pode ser, que depois de muita reflexão, cada um que concorreu e ficou sem mandato, encontre sua própria explicação para o fenômeno das urnas nestas eleições e decidam corrigir as rotas que os aproximem novamente dos eleitores e do sucesso nas urnas.

Os novatos já devem estar atentos a esse recado. Por essa razão, devem planejar o mandato em cima de propostas e não apenas ir à Câmara para o enfrentamento desgastante entre oposição e situação, com a máxima definida pela seguinte tarja: Se o meu grupo erra defendo o erro, se acerta enalteço o acerto; se o grupo opositor acerta, para mim está errado e se erra está mesmo condenado.

A perda de tempo com as querelas políticas atrasa o progresso das questões que de fato são importantes para a cidade e isso o cidadão já notou.

O vereador é uma figura pública com um mandato de quatro anos para mostrar ao povo que sua função vai além de indicar nomes de ruas ou títulos de cidadania. O vereador deve valorizar sua função, seu cargo, a Câmara e os colegas.

O vereador é o agente entre o povo e o prefeito, trabalhando suas causas comunitárias, solucionando os problemas do conjunto da população. Vai além. É o vereador os olhos do cidadão na aplicação dos recursos públicos, não permitindo que o cidadão seja lesado e tenha o patrimônio público prejuízo e o povo amargue a desgraça da falta de desenvolvimento da cidade e assistência ao cidadão.

Para o cidadão consciente, o vereador é tão, ou mais importante que o prefeito, dada a sua proximidade com o povo e seus problemas, sendo carreador das soluções, mesmo estando a caneta e autoridade para executar a ação nas mãos do prefeito.

O vereador é elemento social dos mais importantes e, percebendo sua influência no conjunto das transformações sociais, deve sair da mesmice e trabalhar, não apenas ao lado de um partido ou de um grupo político, mas ao lado do povo, dono do seu mandato, e por extensão dos mandatos do prefeito e do vice-prefeito.

Não deve ainda, o vereador buscar o isolamento, achando que a independência, o faz forte. Quem fortalece o parlamentar é o povo, são as boas ideias do grupo e o trabalho de interdependência que o faz homem urbano e social.

Marcos Filho





segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Tratando com colaboradores

Lidar com pessoas é sempre tarefa complexa. Envolve comportamentos e individualidades. Dentro das empresas, lidar com os colaboradores é grande desafio, especialmente, quando a empresa, geralmente empresas pequenas e com administração amadora, não têm sua política de trabalho bem definida.

Às vezes, há confusão de funções, e os colaboradores se sentem tão donos da situação, que enveredam por criar suas próprias regras, quase sempre em benefício próprio e em desfavor da empresa.

O erro, nestes casos, quase sempre é da gerência da empresa. Toda empresa tem que ter sua política de trabalho bem definida, e isso deve ser claramente apresentado ao colaborador na hora de sua contratação.

Em regra, os três meses de experiência dentro da empresa serve como período de avaliação para incorporar ou não o colaborador à empresa.

Mas, se você já está com seu time completo e observa uma série de problemas, tais como: funcionários que não cumprem horários, que falam mal da empresa e que influenciam até os seus melhores colaboradores para os desvios de condutas, é hora de repensar sua empresa, sua política de trabalho e forma de contratação.

Mas, também não precisa sair gritando e batendo boca com os colaboradores que estão prejudicando seu negócio. Nestes casos, é bom conversar. Saber realmente o que se passa com o colaborador, se naquele momento ela passa por problemas pessoais e se tem como, através do diálogo, alinhá-lo ao sistema de trabalho da empresa. Caso seja mesmo descompromisso, é o momento de avaliar se sua empresa tem mesmo que manter esse funcionário-problema.

Ao fazer sua constatação, analisando os pontos favoráveis e contrários, é hora de decidir se ele fica ou se é melhor que saia.

Entenda que sua empresa não é local para paternalismo ou práticas de caridade. Sua empresa é local de trabalho e da busca de lucros. É local de boas relações de trabalho e que todos devem estar alinhados com os objetivos e metas da empresa.

Lembre-se: nada de bater boca com colaborador. Na verdade, a empresa não demite, é o funcionário, por sua postura diante da empresa, quem se demite ou se firma na empresa.

Marcos Filho




sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Em Várzea Alegre, ao menos sete lojas na Black Friday

O Black Friday, evento que movimenta o comércio varejista e de serviços com super descontos envolve ao menos sete lojas de segmentos diferentes na cidade de Várzea Alegre.

O presidente da CDL, Luiz Fernando Costa Cavalcante, disse que vê com boa expectativa algumas promoções que as lojas estão fazendo em Várzea Alegre, porque são ações recomendadas pela CDL, para que aproveitem as promoções, as datas comemorativas para movimentar as vendas. “Isso estimula os clientes a fazerem suas compras” – disse.

Luiz Fernando acredita que com o Black Friday haverá aumento significativo das vendas das lojas que aderiram ao evento.

Em Várzea Alegre estão participando da Black Friday as lojas Casa & Cia, O Boticário, Zenir Móveis, Macavi, Empórium Confecções, Mult Escolha Cosméticos e Pereqtê.

Lojas como a Casa & Cia, que atua no varejo de móveis e eletrodomésticos, intensificou publicação nas redes sociais, em rádio e som volante, montou estrutura na frente da loja e conseguiu atrair maior movimentação nesta manhã promocional.

No ano passado, não houve adesão de lojas ao Black Friday. Este ano, sete lojas participaram, o que pode aumentar a participação no evento do ano que vem.

Nara Patrícia, gerente-executiva da CDL, disse que em Várzea Alegre existem 116 empresas associadas à entidade, porém o potencial comercial de Várzea Alegre conta muitas lojas de diversos segmentos.

Levando em consideração as lojas participantes e o número de associados, a adesão ao Black Friday em Várzea Alegre é de 6,03%.

Black Friday é uma ideia que nasceu nos Estados Unidos e que já ganha outros países como Canadá, Austrália, Reino Unido, Portugal, Paraguai e Brasil, entre outros.

Em sua 6ª edição no Brasil, o comércio espera superar o momento de retração econômica, com expectativa de faturar R$ 2 bilhões, um aumento de 30% em relação ao evento do ano passado.


Os consumidores, geralmente aproveitam as promoções da Black Friday para antecipar as compras de Natal.





Fotos de Laece Oliveira

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Yes, nós temos “Black Friday”

Yes, nós temos “Black Friday”. A loja de peças íntimas Pereqtê aderiu ao movimento que leva milhares e milhares de pessoas às lojas na última sexta-feira de novembro para comprar tudo mais barato e antecipar os presentes de Natal. Aqui, na Pereqtê, será no sábado

Black Friday é uma expressão em inglês que significa sexta-feira negra. É também um evento realizado depois do Dia de Ação de Graças, comemorado nos Estados Unidos e no Canadá.


Uma boa sacada da turma da Perequetê!