quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A importância do voto

A eleição de um candidato pelo voto popular se constitui no apogeu do processo democrático de uma nação.

Em cada ano eleitoral, quando nós, povo brasileiro, vamos às urnas depositar nosso voto no candidato, aquele que escolhemos para nos representar, seja como presidente da república, senador, deputado federal, deputado estadual, prefeito ou vereador, estamos contribuindo para o engrandecimento e fortalecimento da democracia.

A partir do nosso primeiro voto, hoje facultativo aos jovens com 16 e 17 anos, ao último voto, também facultativo aos idosos maiores de 70 anos, cada voto é para nós o sentimento do cumprimento do nosso dever de cidadão.

É bem verdade e não acho correto que o voto seja obrigatório no país. Porém é uma realidade que leva muitos desalentados com o comportamento dos políticos às urnas, mesmo, defendendo, com o voto nulo, o direito de não votar.

Assim como a democracia imprime a liberdade de escolha, deveria também ser facultado ao cidadão o direito de não votar, sem que a este seja imputado qualquer ato restritivo.

Porém, considero o voto poderosa arma do cidadão consciente, que entende que é na política que repousa as repostas para muitos dos cruciais problemas que nos afetam cotidianamente.

Saber escolher o candidato é saber definir o que deseja o cidadão para sua comunidade. É o voto livre coluna mestre da construção da democracia.
Esse voto ganha maiores contornos de importância quando se trata das eleições municipais.

O município é base de todas as políticas públicas, pois é nas comunas das grandes e pequenas cidades que os cidadãos sofrem ou vivem alegremente as conquistas populares.

E o povo, o dono do voto, deve valorizar esse instrumento sagrado, que uma vez depositado na urna, chancela os nomes daqueles que nos representarão, em se tratando de municípios, nas prefeituras e nas câmaras municipais, para depois podermos fiscalizar as ações dos poderes executivo e legislativo.

É bem verdade que os vícios também corroem o direito democrático do voto, quando, em fileiras e cegamente, escolhemos nossos candidatos, não com base em critérios de propostas ou de vida pregressa irrepreensível.

A grande maioria de nós brasileiros, vota em grupos políticos, cujos agentes estão, quase sempre, em busca apenas de poder e não de retribuir o voto com obras públicas de qualidade ou com projetos que vejam a população de forma holística, e para esta população devote a gestão.

Mas, ainda que com certas desilusões, necessário é que acreditemos nas grandes transformações sociais que nos levam a acreditar, mesmo que minimamente, na possibilidade dos homens públicos passarem a respeitar o direito sagrado do voto, honrando os compromissos com a população prolatados nos altos dos palanques ou nas visitas aos palácios dos ricos e nas incipientes cozinhas das casas mais humildes.

Se o político precisa do cidadão e do seu voto, o cidadão necessita do engajamento do político para valorizar a democracia e cumprir com os compromissos que garantam melhores condições de trabalho, emprego, saúde, lazer e educação para todos.

Portando, cidadão, caro eleitor, faça suas escolhas de forma livre, aberta e não deixe de votar. O voto é a sua grande arma para valorizar, de forma democrática, sem comportamento de cidadão.

Marcos Filho



Mais “Nós”, menos “Eu”

Freepik
O trabalho em equipe dentro das empresas ou nas organizações é considerado pilar e sucesso do empreendimento. Uma boa equipe, focada no trabalho é tudo o que uma empresa deseja, pois sabe que os resultados somam e geram lucratividade.

Uma equipe bem entrosada, que entende a missão, que passou pelo planejamento, organizando o trabalho a ser feito, faz fluir as tarefas, evitando embaraços, estresse e fortalece o conjunto.

Trabalhar em equipe é ir muito além do eu. É utilizar o pronome nós para o que dar certo e para o que não saiu como o planejado.

O trabalho em equipe atinge todos os níveis da gestão. Nasce no setor estratégico, desce ao nível tático e se materializa no nível operacional.

Por isso em cada nível, tudo deve ser muito bem discutido e planejado para evitar retrabalhos, correção de rotas não previstas nas fases estratégicas e táticas.

Para evoluir nas tarefas em equipe é premente que se tenha uma comunicação perfeita e para isso é preciso eliminar os ruídos, forçando a tarefa passar por caminhos mais curtos para atingir sua finalidade.

A equipe também precisa respirar. Mesmo com todos os seus membros sob pressão para os resultados, é preciso confiar na equipe. Deixar que ela crie suas estratégias, suas rotas para solução de problemas e criatividade na construção de resultados.

Os líderes planejam e as equipes executam. O líder participa, cobra, cobra e participa, mas sempre permitindo a criatividade, a exposição de ideias, correndo na linha de que tudo tem seu tempo, seu espaço e seu valor, vendo na equipe capacidade para resolver.

Então, trabalhar em equipe, é muitos mais “NÓS” do que "EU". É mais que um amontoado de gente numa sala, com cada um sendo mestre de tudo e com pouca praticidade, o que compromete os resultados finais.

Então, quando pensar em equipe, pense em Planejar, Organizar, Controlar, Executar, Permitir, Participar e Comemorar resultados.

Bom trabalho a todos.


Marcos Filho

sábado, 13 de agosto de 2016

Homenagem a Idelfonso Pintor

Idelfonso Vieira Lima, ou simplesmente Idelfonso Pintor. Um homem e suas duas artes: A pintura e a arte de fazer o bem.
Um multiplicador de cores e de sonhos. Na firmeza dos seus pincéis, o traçar dos caminhos de muitos que com ele aprenderam que as cores têm vida, dão vida, sustentam vidas e imprimem em aquarela o progresso.
O menino pobre que nasceu em 1935, em Várzea Alegre, no sítio Panelas, teve o encontro com os pincéis e as tintas aos 12 anos. Era um casamento que duraria por toda a vida.
Mesmo alimentando outros sonhos, como o de ser padre ou farmacêutico, pois foi funcionário de uma farmácia, foi nas letras, faixas e cartazes feitos à mão do artista que ele vivia mais.
E o encontro de Idelfonso Pintor com a arte, transformou a vida de muitos que lhe pediram apoio, ensinamentos e conselhos.
E ele viu os seus alunos alçarem altos voos. E ele, ali ficou, no seu recanto. Não amealhou riqueza financeira. A prata e o ouro não eram seus objetivos. Sua riqueza era sua arte.
E todo artista sofre. Sofre de solidão. Sofre o desgaste e esquecimento. Sofre com tempo. Sofre só.
Idelfonso sabia bem o que era viver da arte. Sua arte pura, feita à mão, foi traída pela tecnologia. Já não cabiam apenas letras em panos. Todos queriam o novo. E o artista sofreu com isso.
Mas, o Idelfonso tinha outros motivos para sorri. Além dos novos artistas que encaminhou na vida pela sua arte, que eram razão de seu riso, Idelfonso era um homem patriota e apaixonado por Várzea Alegre. Foi agraciado em 2013 com a medalha Papai Raimundo. Um reconhecimento da cidade ao seu talento.
Tinha ainda sua gaita para tirar uns sons. Tinha “um que” de poeta que alegrava sua alma. Idelfonso irradiou luz por onde passou.
Na sua fé e devoção a São Francisco De Assis, ficou o exemplo do santo e do homem: Humildade e simplecidade.
Hoje, as cores do céu ganham novo contorno com sua chegada, amigo Idelfonso Pintor.
Marcos Filho

terça-feira, 12 de julho de 2016

Coração

E as palavras machucavam o coração
Porque não eram palavras do coração
Saíam pela boca sem sentido
Sem sentimento, sem vida, sem ação

O corpo se fez forte, segurando as expressões
Que o rosto insistia em denunciar falta de vontade
Era triste no pensar, no falar e no sorrir
Sem alegria, sem entusiasmo, sem jovialidade

Cadê aquela alegria? Onde está a tua emoção?
Alguém te confundiu a cabeça e te iludiu
Te levou a crer naquilo que era impossível
E você, tão inocente, traiu até teu coração

O que se faz na queda é juntar os cacos
Tentar se recompor e se reencontrar
Que esse reencontro seja contigo mesmo
Com tua paz, com teu amor próprio

Te recomendo, como amigo, que esqueças
Esqueças o passado, o caminho dos espinhos
Volta, tal qual o pródigo, aos teus amigos
Muitos valem mais do que certos parentes

Reencontra o caminho de casa e rever teus desejos
E voa, voa com as asas de um anjo lutador
Corre na direção dos teus sonhos e desejos
Aqueles que não te abandonaram e estão no teu coração

Quando passares a sentir vontade, jovialidade e emoção
Quando disseres Palavras vivas e cheias de vigor
Perceberás em ti novamente o amor
Notará mais uma vez que tens coração

Marcos Filho 





quinta-feira, 30 de junho de 2016

Agindo com bom senso

Agindo com bom senso

Como você costuma buscar a solução para os problemas que surgem na sua vida?
Talvez esta pergunta pareça tola, mas o assunto é de extrema importância quando desejamos corrigir o passo e evitar novos tropeços.
O que geralmente acontece, quando desejamos resolver algum problema, é fazer exatamente o caminho mais difícil.
No entanto, como o sucesso da ação depende do meio utilizado ou da estratégia criada para a solução, vale a pena pensar um pouco sobre nossa forma de agir.
Por vezes, nos movimentamos freneticamente para um lado e para o outro, e esquecemos de que movimentos desordenados não nos levarão a lugar nenhum.
Movimentar-se nem sempre significa agir com discernimento.
Comumente confundimos a urgência com a pressa, e atropelamos as coisas.
A situação pode exigir atitudes urgentes, o que não significa apressadas.
Quando agimos apressadamente, sem fazer uso da razão, é mais fácil o equívoco. Quando agimos sob o domínio da emoção, o resultado é quase sempre desastroso.
A emoção não é boa conselheira, quando se trata de resolver questões urgentes.
Um exemplo pode tornar mais fácil a nossa compreensão.
Se uma cobra venenosa nos morde e inocula seu veneno em nosso corpo, o que fazer?
Uns saem correndo atrás da víbora para matá-la, e acabar de vez com o problema, numa atitude insana de vingança.
Seria essa a decisão acertada?
A movimentação só faria o veneno se espalhar rapidamente pela corrente sanguínea, piorando as coisas.
No entanto, a ação mais eficaz seria buscar ajuda o mais breve possível, para evitar danos maiores.
Mas nem sempre a ira nos permite agir sensatamente.
Se uma pessoa nos ofende ou nos contraria frontalmente, geralmente revidamos ou mantemos o efeito do veneno durante dias, meses ou anos...
Ressentimento quer dizer sentir e voltar a sentir muitas vezes.
Quando isso acontece, a mágoa vai se tornando cada vez mais viva e mais intensa.
A ação mais acertada, neste caso, não seria tratar de eliminar o veneno de nossa intimidade?
Para tomar decisões lúcidas, é preciso fazer uso da razão, e não se deixar levar pela emoção.
Quando a emoção governa nossas ações, geralmente o arrependimento surge logo em seguida.
Assim sendo, é importante pensar bem antes de agir para evitar que, em vez de solucionar os problemas, os compliquemos ainda mais.
Se, num momento crítico, a emoção nos tomar de assalto, é melhor sair de cena por alguns instantes, ou deixar que os ânimos se acalmem, antes de qualquer atitude.
Quando agimos com calma, fazendo uso da razão, é mais fácil encontrar soluções definitivas, em vez de piorar as coisas.
*   *   *
Lembre-se de que, em vez de correr atrás da cobra que nos mordeu, é mais racional buscar a solução do problema.
Quando você estiver às voltas com um problema qualquer, lembre-se de que a solução ou a complicação dependerá da sua ação.
Por isso, busque tomar a decisão mais favorável à resolução.
Lembre-se, ainda, de que a pressa nem sempre é boa conselheira e procure agir com sabedoria, que é sinal de bom senso.
Redação do Momento Espírita
Em 19.01.2009.